Skip to content

{ Monthly Archives } January 2002

Citação do dia : “Noturno III

Os cuidados se foram , ou tomaram

Estranhas máscaras de sonho …

Teus cabelos de náufrago

Estão bordados no brancor da fronha .

E onde foste arranjar estas mãos de cera

Que parecem levemente luminosas no escuro ?

Toda casa encalhou nalgum porto noturno

Ninguém no cais deserto …

Apagaram-se os grilos ,

As estrelas estão imóveis e tristes como num mapa sideral .

Nunca estiveram também tão fixos os olhos dos retratos ,

Como se fossem apenas fotografias .

O único rumor de vida ,

Este vem de muito , muito longe : o pobre arroio antigo

Gota a gota a fluir no soluço da pia .”

( Mário Quintana )

A FADA DA BOATE VOGUE

Vanessa Van Nassau era um dos legados que a colonização holandesa deixara para a Recife dos anos 50 . Bonita e culta circulava com desenvoltura pela noite da capital pernambucana . Porém uma paixão repentina por um jornalista americano fez com que juntasse suas economias e deixasse sua casa no bairro de Imbiribeira , rumando para a então capital da nação com apenas poucas peças de roupa e um antigo álbum de gravuras que gostava de folhear na infância .

Ao chegar a cidade maravilhosa a nossa protagonista , se dirigiu para o apartamento de seu amado no bairro da Tijuca , em uma das travessas da R. Conde do Bonfim , e verificou que o endereço que o seu yankee queridinho lhe fornecera , simplesmente não existia …

Sentindo-se lograda e sem possuir o dinheiro para a passagem de volta , tomou um taxi para Copacabana acreditando que a sorte lhe compensaria a humilhação que acabara de sofrer .

Recém-instalada em um hotel pequeno porém aconchegante , Vanessa saiu para caminhar sob o crepúsculo e encontrou um conhecido conterrâneo que estava morando no Rio de Janeiro onde exercia as funções de radialista , locutor de futebol , compositor e jornalista ( também ) . O seu amigo contou que acabara de compôr uma canção intitulada “O Amor e a Rosa” , e que uma famosa cantora havia incluído-a no repertório do show que realizava diariamente na mais badala boate da cidade .

A srta. Van Nassau se mostrou bastante interessada , uma vez que aquele sujeito gordo e suado era uma das pessoas mais inteligentes com quem conversara . Diante de tal interesse o cidadão explicou que aquela boite pertencia a um barão austríaco , sendo um lugar onde coisas boas aconteciam . Combinaram de encontrar-se no dito local , situado na R. Princesa Isabel , horas mais tarde .

No meio da apresentação , os holofotes da boate focalizaram a mesa onde Vanessa e seu amigo tomavam whisky , e então para o espanto dela , a crooner apontando para seu copanheiro anunciou : “A maoiria desses compositores de hoje não valem dez paus !!! Porém este aí é diferente …” . A seguir a dama do Encantado olhou para a dama de Imbiribeira , fez uma pequena pausa e começou a cantar “O Amor e a Rosa” : aplausos gerais !!!

Uma extrema comoção apoderou-se da nossa protagonista que dirigindo-se ao toillete , apanhou no meio do caminho , uma rosa de um vaso qualquer , colocando-a na bolsa . Dentro do banheiro Vanessa quis examinar melhor a rosa e notou em seu centro um pequeno rosto minúsculo . Sem saber se era um delírio etílico ou coisa diversa , ela tornou a colocar a rosa dentro da bolsa , decidindo aproveitar a noite para só pensar naquilo depois .

No quarto de hotel , verificou que era um rostinho mesmo e em poucos instantes iniciou-se um contato telepático , no qual a pequenina face afirmou ser uma entidade denominada A Fada da Rosa , adivinhando a falta de recursos da Srta. Van Nassau , aconselhou-a ir nas melhores livrarias da cidade oferecer o livro de gravuras que trouxera , pois ele valia muito dinheiro . Disse também que ficaria muito agradecida se fosse posta em uma taça com champagne francês ao invés de um copo d’água .

Na manhã seguinte vendeu seu exemplar de Gaspar Barleus (*) por uma quantia vultuosa , a tarde foi comprar uma caixa de champagne francês para que sua rosa não ficasse ressecada , a noite partiu para a felicidade …

(*) Físico e desenhista holandês que viera com Maurício de Nassau para o Brasil no final século 16 .

Tagged

ANIVERSÁRIO DA CIDADE : A JANELA DO MERCADÃO

Citação do dia :

“PRIÈRE

Ah donne-nous des crânes de braise

Des crânes brûlés aux foudres du ciel

Des crânes lucides de cranês réels

Et traversés de la présence

Fais-nous naître des cieux du dedans

Criblés des gouffres en averses

Et qu’un vertige nous transverse

Avec un ongle incandescent

Rassaise-nous nous avons faim

De commotions intersideráles

Ah verse-nous des larves astrales

A la place de notre sang

Détache-nous . Divise-nous

Avec tes maims de braises coupantes

Ouvre-nous ces voûtes brûlantes

Où l’ont meurt plus loin que la mort

Fais vaciller notre cerveau

Au sein de sa propre science

Et ravis-nous l’intelligence

Aux griffes d’un typhon nouveau .” (*)

(Antonin Artaud )

(*)

Ah, dá-nos crânios de brasa crânios

Pelas faíscas do céu queimados

Lúcidos crânios, crânios reais

Por tua presença traspassados

Que renasçamos nos céus internos

Crivados de abismos efervescentes

E que vertigens nos atravessem

Com suas unhas incandescentes

Vem saciar-nos que temos fome

De comoções inter-siderais

Em nossas veias em vez de sangue

Despeja agora lavas astrais

Vem desprender-nos, vem dividir-nos

Com tuas mãos, brasas de corte

Para nós abre os tetos ardentes,

Onde se morre pra lá da morte

No mais profundo de sua ciência

Confunde, abala nossa razão

Arrebatando-lhe a inteligência

Nas garras novas de um furacão .

( Tradução : Mário Faustino / Colaboração : Suzana Cano )

FELÍCIA FANGAL E OS TESOUROS MARINHOS DE COISAS TRANSITÓRIAS

Felícia Fangal nasceu na cidade do Panamá , mas no exato dia em que completou três anos de idade , seu pai , que trabalhava em uma empresa de transporte marítimo , foi designado a gerenciar uma filial na cidade de Santos .

A família Fangal , logo se adaptou a nova paisagem , indo residir na R. Bolívar , perto do canal 4 . Durante a infância , nossa protagonista ficou fascinada com estórias de sereias , aprendendo cedo a nadar , atividadade que exerceu com entusiasmo até a adolescência , quando aconteceu um dos fatos que iriram mudar decisivamente sua vida .

Felícia nadava próxima a pedra da Feiticeira , mais ou menos na divisa entre Santos e São Vicente , quando foi apanhada por um redemoinho . Seus gritos logo foram ouvidos por um rapaz , que deveria ter a sua idade … O jovem prontamente se atirou ao mar , e resgatou a bela morena para as areias da praia de Itararé .

A señorita Sangal agradeceu o jovem , que disse que se chamava Bernardo Ferreira e que era descente de Baltazar Ferreira , o homem que após enfrentar os Tupinambás em Bertioga , matara a golpes de espada o Hipupiara * ( monstro marinho que assolou São Vicente ) no ano de 1564 .

Marcaram um encontro no Aquário Municipal , no qual o rapaz roubou um beijo da mocinha , enquanto esta contemplava as focas que se tornavam cada vez mais indolentes devido ao calor excessivo .

O namoro de Bernardo foi bem durante anos , porém logo começaram a surgir comentários nada elogiosos sobre o caráter de sua amada . Ao ouvir tais afirmações ele logo exclamava : “Que nada , ela é uma pessoa sensível , tanto que chora a cada vez que olha para o morro do José Menino .”

Porém um dia , nosso personagem descobriu a verdade : a dama panamenha estava indo para o Guarujá se encontrar com um praticante de esportes radicais , cujo pai havia enriquecido com dólares falsos . Marcaram um encontro em um antigo bar forrado de pastilhas em São Vicente . Ela negou a princípio , porém diante de provas irrefutáveis olhou-o com indiferença e saiu langüidamente cabisbaixa .

Sem saber o que fazer , Bernardo Ferreira rumou para Mont Serrat , para contemplar a zona portuária do alto e esperar que a intuição lhe dissesse o que fazer , porém esta não lhe forneceu nenhuma idéia brilhante . Na volta notou que no funicular ( bondinho ) que descia o morro , um turista etusiasmado , tentava fotografar a paisagem . Na metade do trajeto , um sacolejo inesperado atirou o forasteiro para embaixo dos trilhos , onde foi completamente destroçado .

Durante o tumulto que se seguiu , nosso amigo conseguiu colocar seus documentos no bolso do turista , fazendo com que as autoridades e toda a imprensa acreditassem ter sido ele a verdadeira vítima .

O remorso fez com que Felícia Fangal se mudasse para o bairro do Macuco ( indo morar naquela travessa da Av. Conselheiro Nébias que acaba na Praça Tamandaré ) e se tornasse prostituta .

Com relação a Bernardo Ferreira , há rumores que passou a se chamar Felix Felisberto e que enriqueceu ao descobrir um tesouro marinho ( de verdade ) na costa da Venezuela .

* ao acessar o outo site clique na palavra LENDAS à esquerda

Tagged

CREPÚSCULO EM SEZIMBRA

Citação do dia :” Portrait dúne femme

Your mind and you are our Sargasso Sea,

London has swept about you this score years

And bright ships left you this or that in fee:

Ideas, old gossip, oddments of all things,

Strange spars of knowledge and dimmed wares of price.

Great minds have sought you- lacking someone else.

You have been second always. Tragical?

No. You preferred it to the usual thing:

One dull man, dulling and uxorious,

One average mind- with one thought less, each year.

Oh, you are patient, I have seen you sit

Hours, where something might have floated up.

And now you pay one. Yes, you richly pay.

You are a person of some interest, one comes to you

And takes strange gain away:

Trophies fished up; some curious suggestion;

Fact that leads nowhere; and a tale for two,

Pregnant with mandrakes, or with something else

That might prove useful and yet never proves,

That never fits a corner or shows use,

Or finds its hour upon the loom of days:

The tarnished, gaudy, wonderful old work;

Idols and ambergris and rare inlays,

These are your riches, your great store; and yet

For all this sea-hoard of deciduous things,

Strange woods half sodden, and new brighter stuff:

In the slow float of differing light and deep,

No! there is nothing! In the whole and all,

Nothing that’s quite your own.

Yet this is you. (*)

(Ezra Pound )

(*) A tua mente e tu sois nosso mar Sargaço

Londres arrebentou-se sobre ti por tantos lustros

E navios brilhantes deixaram-te isto, aquilo em paga:

Idéias, antigos mexericos, esquisitices de todas as

coisas,

Estranhas perchas de conhecimento, obscuros salários de

preço.

Grandes espíritos buscaram-te__ à falta de outra coisa.

Sempre foste segunda, será trágico?

Não! Tu sempre o preferiste ao que é comum

Um homem enfadonho, enfadante, uxórico

Uma mente como as outras __ com um pensamento a menos,

todo ano.

Oh, tu és paciente, contemplei-te sentada

Horas inteiras. Quando algo poderia ter boiado de

repente.

E agora nos compensas. Sim, pois tu nos pagas ricamente.

És criatura de certo interesse, a gente te procura

E leva consigo um lucro estranho:

Troféus pescados ao acaso; alguma curiosa sugestão;

Um fato que a nada leva: e um conto ou dois

Grávido de mandrágoras, ou qualquer outra coisa

Que um dia pode ser útil__ talvez nunca

Nunca preencha uma lacuna ou mostre utilidade,

Ou encontre sua hora entre o tear dos dias:

O desbotado, bizarro, maravilhoso lavor antigo:

Ìdolos e âmbar-gris, raros engastes,

Eis tuas riquezas, teu armazém enorme ; e no entanto

Por todo este tesouro marinho de coisas decadentes

De madeiras estranhas, mal cozidas, e de estofos mais

novos, mais explêndidos:

No lento flutuar de contrastante luz e fundo

Não! Não há nada! No todo e em cada coisa

Nada que sejas realmente

E, no entanto, és isto.”

(Tradução : Mário Faustino / Colaboração Suzana Cano )

Ramirez Rebozo e as irmãs Anna , Olívia e Plurabelle me mandaram um E-mail lamentando a morte de Amparo Pontes , uma das grandes damas do bolero .

AS TRIGÊMEAS CANTORINHAS

Anna , Olívia e Plurabelle nasceram em Joaçaba (SC) , mas logo seus pais mudaram para Tampico (México) , onde cresceram e formaram um trio vocal , logo batizado de “Trio Deseperanza” , cujo repertório era constituído basicamente de boleros , como “Se Muy Bien Que Vendras” , “La Pretendida” , “Lágrimas De Sangre” , “Contigo En La Distancia” , etc.

O trio começou a excursionar pelo interior do país fazendo enorme sucesso em cidades como San Luis Potosí , Zacatenas , Cuernavaca , Chilpaneingo , etc , sendo que após alguns anos , vieram os convites para shows em outros países , e entre eles o Brasil .

A perpesctiva do retorno à terra natal encheu-as de alegrias e esperanças , porém a temporada brasileira constituiu-se em estrondoso fracasso . Na primeira cidade da turné ( São Paulo ) o local designado para as apresentações era uma casa de shows denominada “Boate Azul” , próxima ao Largo Treze , no bairro de Santo Amaro . Ao examinar o local de seus primeiros espetáculos , as trigêmeas , compreenderam que aquela excursão era a mais completa arapuca , impressão que confirmou-se verdadeira , quando dias após , o empresário fugiu com todo o dinheiro .

Apesar da situação desesperadora em que estavam, Anna , Olívia e Plurabelle , não perderam a calma , e ao caminharem em uma praça que ficava perto do hotel que estavam ( Praça Susana Rodrigues ) avistaram três anões que pareciam ser trigêmeos (*) . Estes , vestiam roupas orientais e carregavam cartazes com os dizeres “LIXO” , “COM LIXO” e “SE PAGA” . As trigêmeas logo puxaram conversa com os anões que disseram que trabalhavam para um político denominado Viriato Malaquias , que poderia empregá-las , pois tinha a mania de utilizar em sua propaganda política , pessoas parecidas entre si carregando cartazes , nos quais expunha sua plataforma eleitoral (aqueles dizeres referiam-se a uma proposta de lei , através da qual quem fosse com um saquinho de lixo em um estabelecimento de fast-food receberia um hambúrguer em troca) .

Anna , Olívia e Plurabelle , por indicação dos anões , logo arrumaram o emprego , e passaram a desfilar pelos principais locais da região (Largo do Socorro , Praça Vitor Manzinni , Av. Adolfo Pinheiro , etc) com os cartazes “SORRIA” , “MEU BEM” e”SORRIA” , em uma campanha de valorização cultural para que a Praça Floriano Peixoto , se passasse a chamar Praça Evaldo Braga (**) .

As nossas protagonistas não conseguiam disfarçar o mau humor , pois o trabalho era cansativo e mal pago . Porém um dia , um senhor parou-as para perguntar as horas , e elas verificaram que ele falava espanhol . Foram então conversar em um botequinho , onde o cavalheiro contou que se chamava Ramirez Rebozo , que havia sido técnico de futebol e após desentendimentos com uma filha passou a a cantar boleros em português , percorrendo todo o interior do continente (***) . Ao descobrir que as trigêmeas cantavam boleros , o homem elegante , convidou-as a acompanhá-lo .

A mistura de um vocalista cantando a melodia em português , com um trio fazendo o coral em espanhol , revelou-se uma fórmula explosiva e em poucos meses “Ramirez Rebozo & Trio Desesperanza” despontou para o sucesso internacional .

Apesar de serem sul-americanos (ele paraguaio e elas brasileiras) , os quatro receberam recentemente o título de cidadões mexicanos em cerimônia que teve a participação de Robero Gómez Bolanõs (****) .

(*) Cantor e compositor da época pós-jovem guarda , com inúmeros sucessos : “Sorria” , “A Cruz Que Eu Carrego” , “Eu Não Sou Lixo” , etc

(**) Ver “A VERDADEIRA ESTÓRIA DOS ANÕES BOÇAIS” publicada em 2 de novembro neste bolg . (Para acessar clique no período 11-01-01/11-30-01 , no banco de dados existente bem embaixo à esquerda) .

(***) Ver “JÁ NÃO ESTÁS MAIS AO MEU LADO CORAÇÃO” publicada em 8 de novembro neste bolg . (Para acessar clique no período 11-01-01/11-30-01 , no banco de dados existente bem embaixo à esquerda)

(****) Comediante mexicano que interpreta os pesonagens Chaves e Chapolin .

Tagged

A FADA CHORAMINGANTE