Skip to content

{ Monthly Archives } March 2002

Fiquei bastante contente com o publicado em 20 de janeiro deste ano no blog do Guilherme Kujawski a meu respeito …para quem não sabe , ele é jornalista de tecnologia na revista Carta Capital . Aliás , esta revista situa-se em nível distinto das publicações semelhantes …basta ver a foto com o grafite argentino “NOS MEAN Y LA PRENSA DICE Q’ LLUEVE (*) publicada na capa da edição do dia 16 de janeiro .

(*) urinam sobre nós e a imprensa diz que chove

O ANJO DO QUINTO PÁREO

Dimas Damasceno poderia ser designado como um mecânico de profissão & um turfista de coração . Nos dias de corrida ele sempre fechava sua oficina no bairro do Paraíso e se dirigia para Cidade Jardim . Naquela segunda feira não foi diferente …O nosso protagonista mal estacionou o carro , adentrou o hipódromo , dirigindo-se à região lindeira ao padock , para observar os cavalos de perto . Após escolher o animal ( baseado em um sistema com bastantes variantes , desenvolvido por ele durante anos ) , ele se dirigia à casa de apostas , realizava o seu jogo e indiferente aos rateios ficava no bar bebericando até o início do páreo . Lá notou , um senhor gordo de bigodes , que bebia seu whisky “doble” em goles cavalares …

Corrido o quinto páreo , o bigodudo senhor adiposo , devidamente abalado diante do elevado número de doses duplas , subia a escada com dificuldades quando foi atingido por um aviãozinho de papel ( feito com uma pule ) atirado por uma criancinha entediada …

O trágico desfecho só não se deu , devido a uma morena dos olhos d’agua e dos cabelos curtos que apareceu não sei de onde segurando aquele corpo suado e inerte que estava prestes a espatifar-se no solo …

Na quinta seguinte ela apareceu também após o quinto páreo para devolver uma pule vencedora que um velhinho , conhecido de Dimas , perdera e que cuja o prêmio permitiria ao senhor a possibilidade de comprar um presente para seu afilhado surdo-mudo .

Sexta-feira foi uma sucessão de infelizes coincidências : Damasceno tivera que trocar seu moleton , pois seu neto havia jogado “sangue do diabo” em suas roupas , sendo que devido ao fato da mistura não estar correta , o liquido manchou o tecido : a nova peça escolhida estava muito justa , o que fez ele arregaçasse as mangas prendendo a circulação : resultando que no final do expediente o braço do mecânico estivesse com coloração escurecida : foi ao pronto-socorro : diagnóstico trombose com necessidade de amputação …a cirurgia seria na noite seguinte , e ele deveria ser removido com urgência para um hospital…

Nosso amigo não dormiu … a necessidade da temível cirurgia o deixava deseperado … na manhã seguinte comeu algumas bolachas …a tarde resolveu ligar o radinho de pilha , que sua filha trouxera , para ouvir algumas corridas …

Após o quinto páreo , Dimas quase tem uma síncope cardíaca ao ver aquela morena de olhos verdes ( a mesma do joquei ) adentrar seu quarto de hospital vestida de enfermeira …

– Calma – disse ela – sei que está me reconhecendo , acha um absuro que eu trabalhe aqui … na verdade não trabalho … eu vou te contar quem eu sou …sou o anjo do quinto páreo …eu sempre ajudo os turfistas necessitados , mas sempre durante o páreo retro-mencionado …nunca antes …nem depois …quanto ao seu braço , fique tranqüilo : antes do vencedor do próximo páreo cruzar o disco final , ele estará curado .

Tagged

Citação do dia : “Encontrei uma definição de Belo – do que é Belo para mim . É algo simultaneamente ardente e triste , um pouco vago , que deixa sempre lugar para a conjectura . Se o quiserem , procurarei aplicar o meu conceito a um objeto sensível – um rosto de mulher , por exemplo , o objeto mais capaz de nos interessar no dia a dia . Uma cabeça bela e sedutora , isto é , uma cabeça de mulher , é algo que nos conduz ao mesmo tempo – embora de maneira confusa – a sensações mistas de tristeza e volúpia ; que comporta em si tanto uma impressão de melancolia , lassidão ou mesmo de saciedade , como a sua impressão contrária – ou seja , um grande desejo de viver , ou entusiasmo , a que de qualquer modo se associa a um constante fluxo de amargura , feita de privação e de desespero .”

( Charles Baudelaire )

ILUSÃO A TOA

E O DRAMA CONTINUA …

Dolores Otálora nascera em solo portenho , passando a infância no bairro do Retiro . Uma semana antes dela completar sete aniversários sua família deixou Buenos Aires as pressas pois seu pai encontrava-se repentinamente muito endividado , devido ao fato de ter apostado com o bairro inteiro que Oscar “Ringo” Bonavena nocautearia Muhamad Ali naquela luta em sete de dezembro de 1970 no Madison Square Garden ( o norte-americano ganhou após derrubar o argentino três vezes no décimo quinto assalto ).

Rumando para a capital paulista e após perambular pela Bela Vista , Penha , Pirituba , Santo Amaro e Freguesia do Ó , fixaram-se em um bairro , mais por superstição do que por terem se encantado com suas ruas : o Bom Retiro . A partir dalí seu pai , sempre se referiria ao bairro onde diversos credores o aguardavam do outro lado do Rio da Prata , como o Mau Retiro .

O contato com o novo idioma foi traumático para nossa protagonista , que relutando em assimilar a lingua daquela terra estranha , trancou-se no quarto com antigas e taciturnas marionetes deixadas pela tia-avó e começou a fazer teatrinhos nos quais representava dramas amorosos com finais estranhíssimos …

Uma noite após assistir um destes filmes de terror em preto e branco cujo personagem central era um ventríoloquo , resolveu treinar aquela técnica em frente aos diversos espelhos da casa ( seu pai achava qua os espelhos mutiplicavam a perspectiva , portanto , uma casa com bastante espelhos traria fartura a seus ocupantes ) , descobrindo que tinha jeito para a coisa . Na verdade tinha mais do que previra , pois em pouco tempo já estava fazendo seus showzinhos sem ter que abrir a boca .

Com o passar do tempo ela foi se abrasileirando , conseguindo falar um português fluente , porém com sotaque , pois jamais conseguiria deixar de dizer : “Nao fiacha na maiônesse” como acontece com todo imigrante de lingua hispânica . Como era muito simpática e possuia uma sillhueta exuberante , fez muito sucesso nos circulos sociais e suas apresentações ( nas quais adotara o nome artístico de Dolores Odete ) começaram a se tornar famosas . O sucesso inicial , ao contrário de torná-la indolente , fez com que se aprofundasse em sua técnica , conseguindo fazer um número no qual os dois bonecos falavam simultaneamente .

Em pouco tempo passou a ser requisitada em diversos programas de auditório , e chegou a receber propostas para um programa exclusivo . Porém uma paixão repentina por um riquíssimo estanciero ( fazendeiro ) uruguaio fez com que abandonasse a paulicéia para residir no pampa , levando sua família . Seu pai ficou entusiasmado em descobrir que seu marido Diego Goyneche , na verdade era argentino da região de entre-rios e fora boxeur , chegando a conquistar o título mundial dos médios ligeiros , perdendo-o em seguida quando tentou a unificação contra o brasileiro Moacyr Cosme .

A monotonia do pampa gerou um tédio depressivo em nossa querida ventríloqua , aborrecimento este que pouco a pouco foi vencendo a atração inicial pela sua cara metade .

Em uma calorenta noite de sete de dezembro , Dolores Odete abandonou a tudo e a todos retornando de ônibus para São Paulo com uma pequena valise e suas marionetes … Trajava tênis , calça jeans e uma camiseta na qual estava escrito o título deste conto …

Tagged

Citação do dia : “O ridículo é uma espécie de lastro da alma quando ela entra no mar da vida ; algumas fazem toda a navegação sem outra espécie de carregamento .”

(Machado de Assis )

Citação do dia : “Chegar à harmonia do mau gosto é o máximo da elegância .”

( Jean Genet )

O TRIUNFO DE UM BAIXINHO BOÇAL

João Jonas Domenico Donizete sempre se envegonhou secretamente de sua baixa estatura , compensando seu complexo de inferioridade com um comportamento agressivamente vulgar : suas gargalhadas eram altas ; suas piadas , do mais surpreendente mau-gosto ; seu discurso político , mescla de frases feitas contra a corrupção salpicadas por lampejos de pensamento reacionário ; sua diversão predileta , assistir televisão palitando os dentes ; sua profissão , taxista .

Uma noite apanhou uma bela passageira na Av. Consolação , a dama trajava um taileur púrpura sobre uma camisa de seda verde turquesa . A estonteante exuberância da mulher fez com que nosso protagonista permanecesse mudo até o final da corrida , em uma rua arborizada do bairro do Alto da Boa Vista . Voltou para casa ( era a última viagem do dia ) sentindo extasiado o perfume deixado pela beldade , pois jamais sentira aroma semelhante…

No dia seguinte notou que a saudosa passageira esquecera um livro , guardou-o no porta- luvas . Devolveria a noite , para dar tempo de ler um pouco a tarde e poder comentar algo . Após uma manhã mais ou menos movimentada , parou em uma padaria , a após comer a tradicional refeição composta por arroz , feijão lingüiça e macarrão , resolveu folhear o livro olvidado que se intitulava : “O Principe” de auroria de um tal de Nicolau Maquiavel . Havia na página marcada com uma fita vemelha o seguinte texto :

“Não gostaria de que fosse tido por presunção um homem de baixa e ínfima condição ousar discorrer sobre e regular o governo dos príncipes ; porque , assim como aqueles que desenham as paisagens se postam lá embaixo das planíces para observar a natureza dos montes e dos lugares altos , e, para observar os lugares baixos se postam no alto dos montes , assim também para conhecer bem a natureza dos povos é preciso ser príncipe , e para conhecer bem a dos príncipes é preciso ser popular .”

Jonas João , ou melhor , João Jonas anotou o texto supracitado em um guardanapo , e ficou a tarde (enquanto percorria os mais distantes bairros) a tecer considerações a respeito do que lera . A noite voltou à residência da mulher de taileur porém foi friamente recebido por uma empregada gorda . Devolveu o livro e saiu cabisbaixo .

Se a fisionomia da passageira não lhe saíra da memória , o conteúdo do texto também ficara a latejar em sua mente imbecilizada , a ponto que semanas mais tarde , o taxista Donizete , escreveu uma carta ao presidente da república citando o trecho retro-mencionado do Maquiavel e salientando que devido a baixa estatura física e a condição de oriundo dos baixos estratos sociais , era a pessoa recomendada para pleitear o cargo de conselheiro supremo do chefe da nação … e não é que conseguiu …

No dia seguinte de sua posse uma , moradora do bairro do Alto da Boa Vista se surpreendeu a ver uma limosine estacionar defronte sua residência …

Tagged

Citação do dia : “De gustibus est disputandum . Mesmo quem está convencido da incomparabilidade das obras de arte , ver-se-á continuamente envolvido em debates nos quais as obras de arte – e obras de arte de altíssimo nível , portanto ainda mais incomparáveis – são comparadas entre si e avaliadas uma em comparação com a outra . A objeção levantada contra considerações desse gênero , que surgem com uma necessidade característica , é que se trataria de instintos de mercador , do gosto de medir braços . Na realidade , o sentido da objeção é quase sempre outro , a saber : que os burguese sólidos , para os quais a arte nunca será suficientemente irracional , gostariam de manter longe das obras de arte a consciência e a aspiração à verdade . Mas o impulso que leva necessariamente a essas considerações já está presente nas próprias obras . Elas não são comparáveis é verdade , mas querem se destruir mutuamente . Não é por acaso que os antigos reservaram o panteão do conciliável aos deuses ou às idéias , enquanto que obrigavam as obras de arte a um embate recíproco : uma inimiga mortal da outra (…) Pois se a idéia do belo se apresenta subdividida e dispersa nas várias obras , cada uma entende incondicionalmente a realidade da idéia , pretende a beleza por si só na sua unicidade e não pode permitir essa visão sem anular a si mesma . Una , verdadeira , despojada de toda e qualquer aparência , livre de tal individuação , a beleza não aparece na síntese de todas as obras , na unidade das artes e da arte , mas – material e concretamente – no ocaso da própria arte . Toda obra de arte visa este ocaso , na medida que deseja a morte de todas as outras . Que em toda arte se tenda a seu fim , é outro modo de dizer a mesma coisa . Esse impulso de autodestruição , que é a aspiração mais profunda de todas as obras de arte , é o que provoca sempre , de novo , as diabrites estéticas em aparências tão inúteis .”

( T. W. Adorno )

Em dois de março de mil novecentos e seis nascia meu avô paterno José Vitalino de Barros Martins : o adolescente que só falava latim durante as refeições aos dez anos de idade , o herói da revolução de 1932 , o fundador de um império literário denominado Livraria Martins Editora (que publicou Mário de Andrade , Guilherme de Almeida , Vilém Flussler , Oswald de Andrade , Graciliano Ramos , Menotti Del Picchia , Jorge Mautner , etc.) , o homen que bebia Romanné Conti , o grande conhecedor de sambas antigos , um grande avô e uma adorável pessoa …

No início dos anos oitenta ele me chamou uma tarde e me deu um pedaço de papel cartão , onde escrevera a mão o texto abaixo :

HOMENAGEM A SÃO VITALINO

no

REINO DE SÃO PAULO

no

ANO DO SENHOR DE 2080

na

CAPITAL DO REINO



O santo pregando para uma criancinha sob o sol causticante do sertão

SÃO VITALINO ( SANTO E MÁRTIR )

Viveu no século XX , sendo o segundo santo paulista . Sua canonização deu-se após a elevação ao culto de Santo Adhemar , o santo do povo, isto é , o primeiro populista elevado a essa glória . Dedicou sua vida ao apostolado da cultura , procurando alfabetizar os escritores da então República do Brasil , na qual ainda estava integrado São Paulo . Sofreu , com grande estoicismo e martírio nas mãos ( ou nas contas ) dos banqueiros e financeiros (!) de sua época .

Programa das homenagens em honra de

SÃO VITALINO

Em 2 de março de 2080 .

1) Leitura em praça pública da virtuosa vida do santo , que apesar de martirizado pelos poderosos de seu tempo, recusou-se sempre a ingerir vinho do Brasil ou whisky engarrafado nesse país .

2) Sermão alusivo a data por Don José Henrique de Barros Martins , tataraneto do santo e bispo de Trabiju .

3) Solene Te Deum , a ser cantado na catedral paulista , tendo sido escolhido o de autoria de Hector Berlioz , apresentado pela primeira vez em Paris no ano de 1855 em Saint-Eustache . O conjunto encarregado dessa apresentação é composto por 900 figurantes orquestrais e um coro de 600 vozes . Escolheu-se este hino de graças em relação a modéstia do santo , sempre demonstrada em vida .

4) Inauguração solene da Nova Praça da Sé , que totalmente reformada e moldada ao espírito do santo , receberá o nome de Largo do Vitalino , santo e mártir .

Todas as solenidades serão presisidas por Don Lenine Evaristo Kossakov Cardeal Primaz do Reino de São Paulo .

Obs. : Pede-se a todas as pessoas que utilizarem asas plásticas ou metálicas para seu transporte pessoal , guardá-las no Asário Público no novo Largo do Vitalino .