Skip to content

{ Monthly Archives } July 2002

TRIBUTO À PAULO SÉRGIO

Há vinte e dois anos atrás a cidade capixaba de Alegre ficava mais triste … seu filho mais ilustre morria vítima de derrame cerebral em um circo em Itapecerica da Serra .

Paulo Sérgio além de compositor , foi um intérprete de valor … que somente agora parece que está sendo valorizado … a cantora Patrícia Ahmaral gravou “Não Creio em Mais Nada” , música que também integrou a trilha sonora da recente performance da escritora Lúcia Santos denominada “Eros & Escrachos”…

Outro dia tomando café em uma padaria em Moema eu vi um “bêbado de rua” entrar no estabelecimento e cantar “Pelo Amor de Deus” , e pensei : “Mesmo com o enorme destaque que a mídia dá para os pagodeiros , sertanejos e amigos do axé , a música deste gigante do cancioneiro jovem-brega jamais deixará de figurar no inconsciente coletivo da nação emboaba !!!”

Tagged

A FADA SURGE NO CREPÚSCULO TROPICAL

Novidade : O blog Cabeza Marginal está apresentando um trabalho meu (MANHOSA GATINHA) na seção EM EXPOSIÇÃO , juntamente com Vitor Freire , Ingrid Klinkby e Lamora Alice … acessem !!!

Dica de blog : O blog Dois Panacas Discutindo do guitarrista e arquiteto Pablo Zumarán e do João Luis Camelo , trás reflexões filosóficas muito interessantes … confiram !!!

DRINKS DRÁSTICOS

DRY MARTINS : Sempre imaginei um dry martini que tivesse meu sobrenome . Criei este com alacaparra no lugar da azeitona . Deixe as taças gelando na véspera (o gelo de água mineral , também deverá ter no máximo 48 horas) . Primeiramente salpicamos o copo misturador com gotas de vermute seco , em seguida o gelo deverá ser colocado no referido recepiente , no qual deverá ser despejado uma dose (por pessoa) de um bom gin . Enquanto isto retiramos as taças do cogelador e aspergiamos um pouquinho (mas bem pouquinho mesmo) de vermute seco , giramos as taças para permitir que o vermute aromatize as taças , e jogamos este líquido na pia (*) . Feito isto mexemos os copo misturador por cerca de trinta segundos (este copo jamais deverá se chacoalhado) e colocamos o gin nas taças . Após todas estas operações colocamos um alcaparón (aquelas alcaparras grandes , que costumam estar nas saladas que as casas de parrilla argentina servem) e é só saborear.

(*) Algumas pessoas acham que basta sombrear a o copo misturador com a garrafa de vermute . Luis Buñuel , em sua autobiografia , faz uma brilhante analogia entre este ato e a concepção virginal de Nossa Senhora .

RESSACA UBATUBANA : Este coquetel criado pelo pintor Fábio Casarini , consiste de um frasco de revigorante hepático ( do tipo Epocler ) despejado sobre uma dose de vodca . Acrescente gelo e bom café da manhã .

LIVRO , MISTERIOSO LIVRO …

Naquela tiritantemente gélida manhã de julho , Jacinto Pirilo acordou sobressaltado : havia sonhado com um ser vestido elegantemente em tons de verde , que empunhava um livro com uma capa de cor alaranjada com losangos purpúreos . A certa altura o personagem onírico abria o referido livro e de dentro tirava um livro menor , azul com listras vermelhas , e proferia a seguinte frase – “Este livro que está dentro do outro contém tudo que aconteceu , acontece e acontecerá , todas as coisas do universo estão dentro dele , e você jamais imagina que possui ambos …”

Duas coisas intrigavam o nosso protagonista , a primeira era a configuração cromática da capa dos volumes : onde é que ele tinha visto tais cores ??? Laranja com polígonos arlequinescos roxos… anil com escarlate listrado … tinha certeza que já vira aquelas estampas anteriormente . Onde … quando … e porquê eram questões que ficavam exigindo respostas que escorriam pelo esquecimento …Outra coisa que intrigava profundamente o nosso amigo era a estória de um livro dentro de um livro : Edgar Allan Poe falava sobre sonhos dentro de sonhos , agora livros dentro de livros … que estória era aquela ???

Achando que a questão das cores das capas seria metafórica , Jacinto Pirilo passou a vasculhar sua enorme biblioteca , começou com H.G. Wells … passou a Eça de Queirós … daí a E.E. Cummings … indo para Júlio Cortázar , Emanuel Swedenborg , José Agripino de Paula , G.K. Chesterton , Antoin Artaud , Walt Whitman , Oswald de Andrade , Herman Melville , Cesário Verde , James Joyce , Gustave Flaubert , Guimarães Rosa , Rudyard Kipling , Velimir Khlénnikov , William Blake , William Burroughs , William Faulkner , etc … Mas nada , não conseguia achar sentido em nada.

Leu outros autores , e mais outros e outros e outros … Esgotada a biblioteca , ele desceu até o porão de sua antiga residência no bairro de Campos Elíseos na esperança de encontrar algum tomo esquecido … mas de repente se deparou com um caixote alaranjado com losangos purpúreos e recordou que era o local onde costumava guardar seus brinquedos na infância . Abrindo a caixa encontrou somente um pião de cor azulada com tarjas vermelhas …Sem titubear Jacinto rodou o brinquedo e em seu movimento centrífugo vislumbrou todas as épocas , todos os objetos , sentimentos , paisagens , configurações estelares , verdades cósmicas e até todos os gols de todas as copas do mundo , enfim tudo , tal qual a visão moribunda do Brás Cubas montado em um rinoceronte ou a do personagem borgiano contemplando o Aleph … Sim , sim , ele vira tudo , tudo , tudo … Até que o pião parou de girar …

Tagged

Citação do dia : “Toda obra de arte há de ser essencialmente socrática , isto é : conter mais questões que respostas .”

( Álvaro Lins )

NOTÍCIAS FELINAS

Fiquei bastante contente devido ao fato desta página ser citada no blog Gata Bandida. Imagens de felinas sempre me entusiasmaram , tanto que um de meus quadros preferidos é a “Gatinha Manhosa” ( na coluna da esquerda é o sexto quadro de baixo para cima ) homenagem a composição homônima de Roberto e Erasmo gravada pelo último em meados da década de sessenta . Esta obra teve forte inspiração de Louis Wain , artista que volta a ser citado citado neste blog , só que agora o link é com um site brasileiro , feito pelo pessoal da Unicamp .

Alguns dias atrás aportou na capital paulistana a escritora e pintora , goiana-sevilhana Suzana Cano , que além de exímia dançarina e castanholeira , prepara uma paella de arrancar lágrimas … aqui vai um texto dela :

” Ao revés invés do viés

Avesso de passo lugar de origem. Fábrica gesso feito forma. De começo o não cogito. Virilidade batom em boca carnuda miúda é não tanto menos músculo. Do vício a ausência. Disso. Aquilo apontado longe onde o dedo não alcança e demonstra. Memória o futuro exato desconhecido improvável. Sentido, o toque em outro. Útero cheio. Corpo morto. Dentro. Ou debaixo da terra. Laudo de legista. Catalepsia. Autópsia. Cremação. Biópsia. De pedaço vivo ou arrancado de defunto ainda quente. Vitória podium. Chão descalço. Esmolando esperando ônibus de pé no terceiro mundo.De roupa. Usada. Dos pés a palma das mãos levantadas para análise de conserto de coluna. Das unhas. Os dedos. Virados. Epiderme. Órgãos, entranhas e sentimentos segurados. Tombo fratura radiografia conseqüência queda não equilíbrio ou obstáculo não visto. Do buraco negro meus os telescópios que não vêem, as descidas. Escorregar entre o fio lume, zins andar de patins pela primeira vez. Ao contrário. Do chute o alvo. Preguiça. Anfetamina. Olho. Cloaca. Dela a bosta. Elaborada via moela. Descida do papo. Pelo bico. Referente fim ou início. De tocar o chão ou mão de quem dá. Gelo já foi líquido. Amor transformado acalmado. Paixão. Tédio já foi não. Do produto os fatores imediatos adição. Subtração a prova de somar os dois últimos. Daltônicos sabem do revés das cores e se acidentam menos que os não. Dos pêlos que crescem de dentro pra fora como a transpiração. Comer. Junção de sujeira não sentida é maior em buracos quase orifícios como o umbigo. Menos acessíveis que as narinas quase não incomodam porque não estão no meio do corpo sem participaçào no esqueleto. Pergunta. Ponto sem interrogação. Foi bom. Hoje é saudade.”

( Suzana Cano )

ALGO MAIS

Este guache ( realizei poucas obras com este material ) sobre papel , eu fiz em 1983 ou 1984 .

Citação do dia : “Le poète se souvient de l’avenir .”(*)

(*) O poeta lembra-se do futuro .

(Jean Cocteau )