Skip to content

{ Monthly Archives } October 2002

ONDE É QUE TU TÁ , BOITATÁ ???

Observando as boutiques , as vitrines , bares e restaurantes , percebo que está chegando a noite do Halloween … A cada ano mais otários colonizados em Pindorama estão participando desta babaquice … Por que é que estes trouxas que preferem se fantasiar de dráculas , franksteins e bruxinhas broxantes ( ao invés de enaltecer o curupira , negrinho do pastoreio , boitatá , saci-pererê , iara , etc. ) não usam ao menos jacas no lugar de abóboras ???

Citação do dia :

“Que si le moi est haïssable , aimer son prochain comme soi-même devient un atroce ironie .” (*)

( Paul Valérie )

(*) Pois se o eu é odioso , amar ao próximo como a si mesmo torna-se uma atroz ironia .

GO CRY ON SOMEBODY ELSE’S SHOULDER

Citação do dia :

“É difícil , se não impossível , esnobar uma mulher bonita . Ela continua bonita e o esnobe vai lamber sabão .”

( Winston Churchill )

FALLASTE CORAZON

Hoje recuperado das festividades regadas a chopp escuro , comento sobre dois entre vários presentes que recebi :

O Dicionário de Filmes Brasileiros , elaborado por Antônio Leão da Silva Neto , que tem quase quatro mil filmes registrados , ou seja toda a produção nacional desde 1908 . Tentei lembrar de alguns dos filmes mais desconhecidos que assisti : Os Monstros de Babaloo ( 1970 ) de Elyzeu Visconti , O Rei dos Milagres ( 1973 ) produção ítalo-brasileira dirigida por Joel Barcellos , Caveira My Friend ( 1970 ) de Álvaro Guimarães , Viagem ao Fim do Mundo ( 1968 ) de Fernando Cony Campos …Tem tudo , tudo mesmo …

E não só fichas técnicas , vejam que interessante a definição que o diretor Rogério Sganzerla dá para seu longa em cinemascope “Sem essa aranha” ( 1970 ) O filme é uma comédia sobre a fome, ensaio de humor negro sobre a miséria agônica do subdesenvolvimento mental de nossas elites, onde o excelente cômico Jorge Loredo representa a burguesia nacional através do personagem-título, um pobre diabo chapliniano e um magnata inigualável, as voltas com os constantes solavancos da nossa realidade , sujeitas a chuvas e trovoadas, assim como as quarteledas e abusos de poder , típicos da época em que foi rodado. Compõe-se de 17 planos seqüências moveis alguns com mais de dez minutos de duração.”

Por falar em plano-seqüência (cena longa em que a câmera se movimenta sem cortes), quem assistiu ao filme “Durval Discos” ( 2002 ) de Anna Muylaert , na mostra de cinema que está passando em São Paulo , pôde ver um dos melhores planos-seqüência já realizados em Pindorama , no qual em uma tomada que percorre um quarteirão da R. Teodoro Sampaio são exibidos os letreiros do filme incorporados em diversos tipos de suportes de escrita : cartazes , calendários , painéis de letras plásticas de botecos ( aqueles onde tem o nome dos sanduíches ) , placas de logradouros , etc … Este não é o único ponto alto da película : há a interpretação brilhante de Etty Frazer , a trilha sonora , uma discussão sobre a vantagem dos discos de vinil ( “tem lado A e lado B” , por exemplo ) , etc … Quem não viu azar , pois estréia só em Março . E como este dicionário contém 253 filmes em andamento , “Durval Discos” também está lá .

O outro presente que recebi é o livro “Eu não sou cachorro não” de Paulo César de Araújo , que mostra a história da música popular cafona ( o autor prefere este termo ao “brega” que usamos hoje ) entre 1968 e 1978 , com ênfase na produção de Paulo Sérgio , Odair José , Nelson Ned , Waldik Soriano , Agnaldo Timóteo , Dom e Ravel , Benito de Paula , Luiz Ayrão , Wando , Cláudia Barroso , Fernando Mendes , Carmem Silva , Evaldo Braga , Lindomar Castilho , Cláudio Fontana , José Augusto , Diana , ngelo Máximo , Reginaldo Rossi, etc … Só li alguns trechos , mas dá para ver que tem muita infomação valiosa , como o motivo do título “O inimitável” do disco do Roberto Carlos ( aquele que contém “Ciúmes de Você” , “As canções que você fez pra mim”, etc ) : era uma alfinetada que o pessoal da CBS queria dar em um ex-alfaiate que com um, timbre de voz parecido , estava ameaçando o Rei ao vender 300 mil discos em seu LP de estréia : Paulo Sérgio !!!

Como disse não li tudo e posso estar agora escrevendo uma bobagem , mas acho que esta obra recém-lançada poderia ter destacado mais a obra de Antônio Marcos , afinal este cantor e compositor está estéticamente e cronológicamente muito próximo do universo contemplado … mas apesar da origem humilde comum aos músicos retro-mencionados ( era oriundo do bairro paulistano de São Miguel , na periferia ) , Antônio Marcos não era despolitizado como os demais , pois integrara o elenco da peça “Arena canta Zumbi” .. talvez seja este o motivo da exclusão do saudoso Toninho …

O autor alega que a história oficial da música brasileira depreza estes artistas ( o que é verdade ) , mas não cita o pessoal mais jovem que anda fazendo releituras : Patrícia Ahmaral , Rita Ribeiro , etc… além de outros menos conhecidos , como este que vos escreve ( quem conhece um pouco das pérolas musicais destes supracitados autores e intérpretes poderá ver que este blog contém inúmeras citações e referências às canções deste período ) .

Apesar de uma ou outra omissão , o livro contém algumas análises bastantes profundas como ao comentar que : “Visando estimular a alegria e o otimismo do povo brasileiro , uma das campanhas da ditadura militar tinha como o lema a frase ‘você precisa acreditar’ – ou seja o oposto do que cantava Paulo Sérgio no sucesso Eu não creio em mais nada (…) inseridos neste contexto, o ceticismo e a melancolia do repertório ‘cafona’ acabavam por adquirir , mesmo que não intencionalmente , um caráter transgressor e de resitência – principalmente quando a tristeza vinha associada as questões sociais do país .” Bom …muito bom …

ONÍVERTÁBÃO

1- Ainda não fiz aniversário mas já ganhei um presentão da Tânia : “Fealdade de Fabiano Gorila” de Marcello Gaú ( Conrad Livros ) . É um livro de estórias em quadrinhos nas quais fotos ( algumas extraídas do Acervo Arquivo Nacional do Correio da Manhã ) se misturam a desenhos em técnica pastel ( creio eu ) realizados com maestria com ênfase na expressões faciais . A primeira estória ( homônima ao título do livro ) é sobre Arizinho um beque do Manufatura um time da Cia Fluminense de Tecidos , qua vai treinar no Fluminense de Zezé Moreira , porém no dia do teste , Getúlio Vargas sai da vida para entrar na história , e não tem treino no estádio da Laranjeiras . O craque , forçado pelo pai , assina um contrato com o Canto do Rio F. C. e embarca em um excursão pela América do Sul ( primeira parada : Venezuela ) com a certeza que podeira ser o titular na zaga do tricolor carioca . A segunda estória “Granadilha” é sobre um senhor que fugindo do assédio de um travesti é atropelado por um ônibus . Dois meses depois o traveco é se atira na frente de um taxi e morre . A cena é contada em uma conversa de taxistas em meio a cerveja e gargalhadas boçais . A terceira estória “Três Minutos de Linhas” mostra uma empregada doméstica fixada em novelas . Sua amizade com a patroa faz com que herde a máquina de costura quando esta falece . Agora ela poderá fazer um vestido igual ao da atriz da novela … e também um terno … e um enxoval …

Ia esquecendo : o prefácio é de Aldir Blanc .

2-Recebi uma mensagem virtual (“E-mail” para os colonizados) indagando-me sobre a origem do título do desenho postado ontem. Esclareço que foi inspirado em uma carta que James Joyce enviou de Dublin para sua esposa Nora em Trieste . O escritor aproveitou uma viagem a negócios à capital irlandesa para visitar o quarto em que Nora vivia quando solteira no Finn’s Hotel.

“Sim, também eu senti por um momento queimando em meu coração aquele fogo puro e sagrado que queima para sempre no altar do coração do meu amor. Eu poderia ter me ajoelhado junto daquela caminha abandonando-me a torrentes de lágrimas. As lágrimas dominavam meus olhos quando fiquei parado olhando para ela. Eu poderia ter me ajoelhado e rezado ali como os três reis do Leste se ajoelharam e rezaram diante da manjedoura onde jazia Jesus. Tinham viajado por desertos e mares e trouxeram seus presentes e sabedoria e roupagens reais para se ajoelharem diante de uma criançinha rescém-nascida, e eu trouxera meus erros e loucuras e pecados e perplexidades e anseios para depositá-los junto da caminha em que uma moça tinha sonhado comigo.”

(James Joyce -Tradução Lya Luft )

O REI MAGO QUE EM VEZ DE PRESENTES TRAZ PERPLEXIDADES

O AMANHÃ É UMA MIRAGEM…

Meu amigo José Geraldo disse que dá azar abrir presente antes do aniversário, acredita piamente que ao abrir o mimo antes da data, estará libertando espirítos de um portal desconhecido, LOGO ELE que adora fazer mandinguinhas todo sabádo! Eu por minha vez, insisto, que abrir portais sejam eles reais ou imaginários, o máximo que pode acontecer é deleitar-se com uma grande aventura, e para que adiar, se o amanhã é uma miragem? Aliás a miragem é o vislumbre de um portal real dentro do imaginário.

Feliz aniversário Chapolim! que a vida seja sempre o melhor na sua realidade.

Tânia Mendes Janeiro (Chyspyta).