Skip to content

{ Monthly Archives } September 2003

Citação do dia :

“O sábio lê o livro, mas lê também a vida. O universo é um grande livro e a vida uma grande escola.”

( Lin Yutang )

O OLHAR CRITERIOSO DA LOIRA MISTERIOSA

“O artista não aceita o apoio necessário entre a parede e a força da gravidade, esta lhe parece um obstáculo que a idéia e o pensamento podem negar. Cantando.”

( Vilanova Artigas )

Para quem não sabe Artigas foi um dos arquitetos mais utópicos e poéticos da nação de Pindorama . Curitibano radicado em São Paulo , projetou entre outras coisas , as estações rodoviárias de Londrina e de Jaú , os ginásios estaduais de Guarulhos , Itanhaém e Anhembi ( lugares onde nunca estive ) e dois edifícios importantíssimos em minha vida : o Estádio Cícero Pompeu de Toledo ( onde vi meu time , o glorioso tricolor do Morumbi , sagrar-se diversas vezes campeão ) e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Univeridade de São Paulo ( onde passei sete anos estudando e fazendo as mais diversas coisas ) .

Podia comentar sobre a sensação de caminhar sobre o epoxi amarelo & sob um enorme vão livre , observando colunas cilíndricas cuja diversidade no tratamento do concreto criavam a ilusão ótica , parecendo colunas retangulares ; ou qualquer coisa assim , mas acho que acesando os links em púrpura vocês podem ter uma noção melhor da obra deste mestre .

Escrevi tudo isto para lembrar que no Instituto Tomie Ohtake está exibindo uma exposição do mestre retro-mencionado até dia 2 de Novembro ( Av. Faria Lima 201 entrada pela R. Coropés fone 11 6844-1900 ).

Aqui vai mais uma frase dele :

“Se as formas são absurdas, é porque as premissas são irracionais”

(Vilanova Artigas)

Citação do dia :

“Não há nada tão difícil como ler o pensamento de um analfabeto. ”

( Sofocleto )

Citação do dia :

“O que lembro, tenho.”

( João Guimarães Rosa )

Se há uma poesia , a qual eu gostaria que uma mulher tivesse feito para mim , é esta :

“Para tua fome

Eu teria colocado meu coração

Entre os ciprestes e o cedro

E tu o encontrarias

Na tua ronda de luta e incoesão:

A ronda que persegues.

Para tua sede

As nascentes da infância:

Um molhado de fadas e sorvetes.

E abriria em mim mesma

Uma nova ferida

Para tua vida.”

( Hilda Hilst )

UMA CANTORA DE BOLEROS ILUMINADA PELO ÚMIDO LUAR TROPICAL

Brilhante , seria um adjetivo que poderia designar o CD de Raimundo Fagner e Zeca Baleiro … Um disco que começa com uma gravação de um gol do querido tricolor do Morumbi , sempre deve ser bom !!! Pois é … isso mesmo : a primeira coisa que ouvimos é uma gravação de um tento , assinalado por Canhoteiro ( campeão paulista em 1957 pelo São Paulo F. C. ) na introdução de “Canhoteiro” ( Fagner/Zeca Baleiro/Fausto Nilo/Celso Borges ).

Pois bem , a parceria ( que pode parecer inusitada , a primeira vista ) se revela consistente nesta obra que mistura blues , música brega ( “Cantor de Bolero” dedicada a Waldik Soriano , Fernando Mendes , Odair José , Carlos Alberto , Nilton César , Bartô Galeno , Reginaldo Rossi , entre outros ) , cancão francesa do século XVI ( “Três Irmãos” ) , e música nordestina , sem no entanto usar dos clichês desta , mais ou menos como no filme “Amarelo Manga” de Cláudio Assis , que mostra o Nordeste em seu âmago ( é o primeiro filme que assinala a imobilidade zen dos cidadões do nordeste ) em vez de mostrar clichês de novela da globo …

Ouvindo os arranjos , nota-se a roupagem dos dois ultimos CDs de Zeca Baleiro ( com a cristalina guitarra folk de Tuco Marcondes ) permeada de toques Fagnerianos , como as harmonias do violão de doze cordas de Manassés … em termos vocais tem-se a impressão que a sobriedade vocal do cantor do Maranhão contagiou benéficamente o modo de cantar do cantor do Ceará : Fagner interpreta como nos dois primeiros discos ( “Mucuripe” e “Ave Noturna” ) evitando os malabarismos vocais um tanto exagerados que prejudicavam sua musicalidade .

No que tange às letras , uma terceira parceria ( Fausto Nilo ) , garante profundeza estética e conteúdo poético ao disco , embora Fagner e Zeca , sozinhos também conseguem dar conta do recado como na genial “Hotel à beira Mar” ( Fagner/Zeca Baleiro )

Há ainda a colaboração de Brandão , Sérgio Natureza , Celso Borges e Torquato Neto …

No primeira verso do CD ( Um anjo torto / um canhoteiro / um São José de Ribamar / um bailarino / um brasileiro / um paraíba / um ceará” ) já notemos uma citação a uma letra ( “Let’s Play That” ) em que o poeta piauense também citava o poema das Sete Faces de um certo poeta mineiro …

Na décima canção , vem uma letra inédita de Torquato , que em uma primeira leitura , pode parecer coisa de bicho-grilo que fica falando de disco voador , porém para quem já leu Schopenhauer ou textos de religiões orientais ( Bhagavad-Gita , Vedas , etc. ) perceberá uma metáfora do processo de iluminação e do abandono da roda-de-Samsara , do processo das encarnações , do dia insuportável que se sucede a outro dia insuportável , como diz a personagem dona-de-boteco do supra-citado filme pernambucano …

Eis a letra do poeta de Teresina :

DAQUI PRA LÁ DE LÁ PRA CÁ

Era um pacato cidadão sem documento

não tinha nome profissão não tinha tempo

mas certo dia deu-se um caso

e ele embarcou num disco

e foi levado pra bem longe

do asterisco que vivemos

Ele partiu e não voltou

e não voltou porque não quis

Quero dizer ficou por lá

já que por lá se é mais feliz

E um espaçograma ele enviou

pra quem quisesse compreender

mas ninguém nunca decifrou

O que ele nos mandou dizer

– Terra mar e ar atenção

O futuro é hoje e cabe na palma da mão

Para azar de quem não sabe e não crê

que se pode sempre a sorte escolher

e enterrar qualquer estrela no chão

Viet vista visão viet vista visão

– Terra mar e ar atenção

Fica a morte por medida

Fica a vida por prisão

( Poesia de Torquato Neto , musicada por Fagner e Zeca Baleiro )

A citação do dia refere-se a pessoas que dizem : “Eu acho isso , eu acho aquilo”:

“Quem acha , vive se perdendo”

( Noel Rosa )

Depois de tantas citações de escritores da pátria do paprika schnitzel ( Goethe , Kant , Schopenhauer & Thomas Mann ) senti uma certa saudade … aqui vai um auto-retato caminhando em frente ao Reichstag , local onde pairavam energias terríveis , mas em que hoje se pode caminhar tranqüilamente sem correr o risco de se metralhado ; ao contrário de Pindorama , onde a década de quarenta foi muito mais divertida ( com os shows do Cassino da Urca ) , mas que agora se encaminha para uma outra espécie de barbárie …

Tagged