Skip to content

{ Monthly Archives } December 2004

LER , LER & LER MAIS AINDA

Acabo de ler “Um Ensaio Autobiográfico” de Jorge Luis Borges” ( Editora Globo ) , onde descobri entre outras coisas , que aquele ilustre escritor traduziu Oscar Wilde ( “Príncipe Feliz” ) para o Jornal “El País” , aos nove anos de idade … Do bruxo de Palermo Velho , reli também “El Aleph” , em espanhol ( editado pelo Jornal “El Clarín”) e estou relendo “Cinco Versões Pessoais” ( Editora Universidade de Brasília ) .

Também leio “Me Segura que Eu Vou Dar Um Troço” de Waly Salomão ( Editora Aeroplano – Biblioteca Nacional ) , sem contar com “Finnegans Wake”de James Joyce ( Ateliê Editorial ) que estou no início do terceiro volume … Depois deverei dar uma olhada nos dois volumes de “Torquatália” uma reunião dos escritos do poeta piauiense Torquato Neto , organizada por Paulo Roberto Pires ( Editora Rocco ) e em “Catatau” de Paulo Leminski ( Travessa dos Editores ) .

LA ESCRITURA DEL DIOS

Confiram o site do Zupo um artista que resgata a pintura dos indios ( tapuias ??? guaranis ??? pataxós ??? nhambiquaras ??? ) inserindo-a em um contexto contemporâneo .

Citação do dia :

“Será o eu de uma pessoa uma coisa aprisionada dentro de si mesma, rigorosamente enclausurada dentro dos limites da carne e do tempo? Acaso muito dos elementos que o constituem não pertencem a um mundo que está na sua frente e fora dele? A idéia de que cada pessoa é ela própria e não pode ser outra não será algo mais do que uma convenção que arbitrariamente deixa de levar em conta as transições que ligam a consciência individual à geral?”

( Waly Salomão )

“where in the waste is the wisdom ?” (*)

Onde no desperdício está a sabedoria ?

( James Joyce )

Obs. : A palavra “waste” , em português , tem diversos significados como : deserto , terra abandonada , declínio , resíduos , sucata , lixo , excreção , sobras , esbanjamento . Optei por “desperdício” , mas com qualquer significado adotado , a frase não deixa de ser interessante .

AGOUROS TROPICAIS

Domênico Donaccio prometera várias vezes que iria ensinar Karine Aranjuez a atirar com uma arma de verdade . Na manhã do dia combinado, quando rumaram para uma praia no litoral paulista , ele estava bastante apreensivo , achando que algo iria dar errado , que seria um enorme erro emprestar seu revólver para sua namorada… afinal ela , em virtude de sua descendência espanhola , era bastante ciumenta e temperamental … mas fazer o quê ? promessa é dívida …

Depois de estacionarem , o nosso protagonista sentou-se sobre o chão e observou Karine descarregar o tambor do Smith & Wesson calibre 32 … após minutos de silêncio , um velhinho aparece correndo , aos prantos , com um pássaro ferido na mão .

Ao se aproximar os dois viram que ele trazia um papagaio baleado … A ave olhou para o casal e disse em meio aos últimos suspiros : – “Nevermore” … e então fechou os olhos …

– Vocês mataram o meu papagaio !!! vocês não tem idéia do que fizeram !!! Ele era ensinado !!! Sabia declamar “The Raven” do Allan Poe , de cor e em inglês … eu ganhava a vida mostrando ele aos turistas , agora estou perdido … Vão embora seus filhos-da-mãe , nunca mais voltem aqui !!!

Domênico e Karine não abriram a boca , após meia hora ela disse que achava que era melhor que se separassem pois as últimas palavras do papagaio eram um tremendo mau agouro . Ele concordou silencioso …

O nosso protagonista frustrado , largou o emprego e se tornou funcionário público municipal , mais especificamente virou coveiro .

Devido a natureza do dia-a-dia de sua mais nova profissão ele começou a beber demais . Detalhe : não gostava de cachaça , seu forte era gin : desinfetava o aroma de defunto .

Uma noite , chegou em casa cambaleante , fritou um pedaço de contra-filé e se sentou para comer , mas a bebedeira era tamanha que ele dormiu sobre o bife … sonhou … sonhou que estava naquela mesma praia e que havia um navio que apitava três vezes e então ele jogava a arma no mar , aí uma ave aparecia no céu . Acordou … limpou o rosto e comeu a carne …

No dia deguinte , ligou para o trabalho dizendo que só iria no periodo da tarde . Foi para o litoral . Na praia avistou a embarcação e ouviu os três apitos . Arremessou então o 32 para os reinos de Netuno … À tarde , de volta ao ambiente de trabalho ( cemitério ) , notou um corvo sobre uma lápide … se aproximou , a ave olhou para ele e cantou um samba de Noel Rosa :

“Se existe alma,

Se há outra encarnação

Eu queria que a mulata

Sapateasse em meu caixão” (*)

Domênico descobriu então que o pássaro cantava todo o repertório do ilustre sambista , de “Primeiro Amor” ( Noel Rosa / Ernani Silva ) a “Último Desejo” ( Noel Rosa ) . Percebeu também que poderia dar a ave de presente para o velhinho caiçara , desfazer todo o mal cometido e a seguir se reconciliar com Karine Aranjuez … Batizou o corvo de “Lacerda” e o levou para o pobre pescador .

Deixou aquele emprego hediondo e parou de beber aquela coisa com gosto de perfume . Hoje está casado com Karine … um dia desses ela disse :

– “Meu bem e se em vez de me ensinar a atirar , você me levasse para pescar ???”

– “Tá louca ??? Nem pensar … E se de repente você pescar um revólver enferrujado ???”

– “Mas uma arma nessas condições não funciona.” Ela retrucou.

– “Será ??? E se funcionasse ??? Eu não iria achar de novo outro corvo como o ‘Lacerda’ “.

– “Não se preocupe , mesmo que isso acontecesse e acidentalmete a arma disparasse atingindo o ‘Lacerda’ , desta vez eu acharia outra ave rara : um albatroz que declamasse Baudelaire ou uma arara que cantasse tudo do Ary Barroso .”

– “Então tá bom .”

(*) Fita Amarela ( Noel Rosa )

PS. : Desenho baseado em fotograma do filme “O Bandido da Luz Vermelha” de Rogério Sganzerla .

Tagged

Citação do dia :

“Quando Luciano descreveu sua estátua ‘de mármore pentélico

na superfície, e por dentro, cheia de farrapos sujos’, certamente deveria ter tido alguma visão profética de nossas grandes instituições financeiras.”

( Edgar Allan Poe )

Citação do dia :

“Pela janela que a chuva molha

não sei se sou eu

ou se é a cidade que me olha”

( Greta Benitez )