Skip to content

{ Monthly Archives } November 2010

Ontem finalmente fui na Bienal… já sabendo o que me esperava: um monte de salas exibindo vídeos, outro monte de salas com instalações… mas tenho certeza que em uma Bienal sempre tem alguma coisa boa (a menos que deixem o prédio vazio, como na anterior)… bem, nesta gostei das obras de Carlos Vergara sobre o Cacique de Ramos (principalmente as fotografias em 3d lenticular), das obras de Antônio Manuel (principalmente do filme “Semi-Ótica”) e do solitário retrato que Flávio de Carvalho fez de Sérgio Buarque de Holanda em tinta guache fluorescente sobre papel… solitário porque estava em uma parede largado, enquanto que a série de desenhos que Flávio de Carvalho fez de sua mãe agonizante estava em outro andar, em frente a umas gravuras do Goeldi, aliás, diga-se de passagem, tanto os desenhos quanto as gravuras estavam muito mal iluminados, coisa de amador. Tinha também uma exposição no Museu de Arte Contemporânea (MAC) que está incorporado à Bienal, chamada “UM DIA TERÁ QUE TER TERMINADO” onde gostei das pinturas pop-art “Comemoração de Gol” de Vera Ilce Cruz e “A Subida do Foguete” de Cláudio Tozzi…
Quanto ao resto Bienal, são três palavras: NO ME GUSTA.

A noite fui no lançamento da História em Quadrinhos “Peixe Peludo” de meu cunhado Rafael Moralez (texto) e Rodrigo Bueno (desenho), lá na praça Roosevelt, na HQ MIX, uma livraria de quadrinhos… estava bem animado … é legal ver casais com crianças à noite caminhando na rua em meio a malucos civilizados. Já li a história em quadrinhos e gostei bastante… gostei do texto, das reflexões lacônicamente agudas sobre a vida em São Paulo… gostei do desenho pois além de muito bem feito, há referências urbanísticas (quem mora na paulicéia reconhece muitos lugares), referências a sinalização de trãnsito (o filósofo Vilém Flusrer dizia que o semáforos são o princípio da comunicação não verbal que irá dominar o mundo) e citações e mais citações, desde as mais óbvias como ao quarto de Van Gogh até as mais sutis (os quadro do quarto do Peixe Peludo são ilustrações de Rafael Moralez). Vejam a matéria que saiu no site da VEJA e admirem a obra!!!

Tagged ,

lalocura

MOURARIA EM GRANDE ESTILO

Tagged

Amanhã (dia 27/11) ocorrerá o lançamento da História em Quadrinhos “Peixe Peludo” com texto do Rafael Moralez e desenhos de Rodrigo Bueno. O acontecimento acontecerá na livraria HQMix – Praça Franklin Rossevelt, 142 – Centro – São Paulo – SP , lá pelas sete da noite…

Tagged

mexericas

A DENSIDADE SENTIMENTAL DE UM CROMATISMO CREPUSCULAR

Tagged

Acabei de ler “Rogério Duprat: sonoridades múltiplas” de Regiane Gaúna (Editora Unesp). Neste livro são mostrados os processos composicionais do brilhante músico mostrando sua face de compositor, arranjador e criador de trilhas sonoras. São mostrados também pensamentos e aforismos como os abaixo-mencionados, em que Rogério Duprat usa a ortografia criada por José Joaquim de Sousa Leão, conhecido como Qorpo Santo, um dramaturgo gaúcho nascido no século XIX…

– Dos antigos artistas, de 45 anos ou mais, dos qe participaram ou não das “vanguardas” dos anos 50 e 60, alguns proségem fazendo obras, asinando-as, preocupados qom suas qarreiras. Outros vês ésas qoisas qomo fraqezas do pasádo, preferindo o novo enqatado mundo anônimo e qoletivo. Entre os mais jovens, uns ségem as pegadas de seus pais e avós busqando glória e sucéso, obra individual. Outros desbravam as pegadas perigozas e emosionantes da inserteza, asosiando novas teqnologias a novos qomportamentos, menos personalistas. Assim são as qoizas. Temos que aprender a qonviver com a diversidade.

– Eu semiotizo, tu semiotizas, ele qe não é tatu, pula fora.

(Rogério Duprat )

Tagged

feijarroz

SERIALISMO CROMÁTICO TROPICALIZANTE

Tagged

koch

O ESTRUTURALISMO ELÉTRICO & ELETRÔNICO

Tagged

COMEMORAÇÕES SUBMERSAS

Nosso protagonista estava muito tempo sem conversar com seus colegas de faculdade, um grupo que tinha pretensões artísticas nos anos 80 e que depois se desfez, pois seus membros se enveredaram pelos mais diversos ramos profissionais… mas resolveu fazer um encontro artístico em que em meio a cervejas e acepipes, elas discutissem assuntos referentes a arte. Na noite combinada seus amigos foram chegando… Hildon Marlos Risério, Sancho Ruiz Maldini, Fúlvio Dicaravaggio e Sávio Cacciaccinni… cerveja puro malte, pão, um bom azeite e jamón serrano, conversas e mais conversas… quando perguntado sobre o que achara da Bienal de São Paulo 2010, o nosso protagonista dizia que não tinha nenhuma opinião sobre o episódio dos urubus, nem opinião sobre as obras expostas, a única coisa que importara para ele, era que mais uma vez não tinha sido convidado a mostrar suas pinturas… “mais uma Bienal em que eu não participo”… resmungava secamente, querendo disfarçar uma certa lamúria em sua voz…

Porém antes que qualquer de seus amigos se pronunciasse o nosso protagonista lançou um olhar desafiador para os presentes e emendou:

– Vou participar da próxima Bienal, mas com outro nome… irei inventar um personagem fictício e um motivo bem boçal, algo bem estúpido… aí é só fazer um bom trabalho de marketing que a coisa pega…

– Então já defina o personagem fictício e também o motivo boçal. Disse Sancho Ruiz Maldini.

Após alguns instantes o nosso protagonista respondeu:

– Vou me apresentar como Osmar Mungano.

– E o tema? Qual será o tema? Perguntou desta vez Hildon Marlos Risério.

O nosso protagonista não sabia o que dizer, porém no fim de semana anterior seu time havia ganho na prorrogação um jogo disputadíssimo sobre um time cujos jogadores eram conhecidos por suas peculiares dançinhas nos momentos de comemoração de gols… pensou nas dançinhas… em como aquilo o irritava profundamente… os passinhos… a alegria boçal… os trejeitos rebolativos… “Ah queria ver eles comemorando em baixo d´água… “ pensou novamente, mas então seu olhar foi iluminado por uma luz interna pois ele percebeu que tinha resolvido a questão: iria pintar imagens de jogadores comemorando gol em um ambiente de fundo do mar. Ele então sorriu baixinho e disse:

– Só vou dizer o nome, vai se chamar COMEMORAÇÕES SUBMERSAS, depois vocês verão o resto… quem quer outra cerveja?

Anos depois nosso protagonista, ou melhor Osmar Mungano, estreou na Bienal: era uma série de quadros no estilo pop-art com imagens de comemorações de gols famosos (Pelé, Serginho Chulapa, etc) em ambiente submerso envolto em peixes e plantas marinhas… mas o que impressionou os críticos foi que ao lado das telas havia um mural com a TEORIA DA SEMI-OBRA DE ARTE: Um emaranhado crítico, uma mistura da teoria do não-lugar de Baudrillard com conceitos desconstrutivistas de Derrida, na qual se explicava que em meio a uma realidade estrutural em processo de mudanças contínuas, um ser-e-não-ser da vida cotidiana, a aparição de imagens representando as comemorações de gols submersas criaria o semi-lugar: um lugar ao mesmo tempo SEMIótico e inserido na significação semântica de um mundo em que semi-jóias e carros semi-novos eram vistos como coisas normais…

Um sucesso … a partir daí o nosso protagonista se esqueceu de si mesmo e passou a acreditar que era Osmar Mungano, e passou a evitar os antigos amigos usando como pretexto o fato de um deles ter dito que aquele pop-art futebolístico era uma imitação dos quadros que Maurício Nogueira Lima havia feito no final dos anos sessenta… passou também a se vestir diferente, comprou um par de óculos com aro grosso e passou a só frequentar bares e restaurantes da moda… porém com o passar do tempo começou a se cansar do personagem… retirou todos os espelhos de sua casa.. mas não adiantou… sempre que saía de casa via sua imagem refletida em algum lugar… não podia mais suportar a visão daquele espectro, não suportava mais ver-se vestido de adolescente intelectualizado.

Um dia o nosso protagonista foi a antiga ótica e encomendou um par de óculos da aro fino, três dias depois, quando os novos óculos ficaram prontos, ele saiu da ótica e após alguns passos jogou os óculos de aro grosso no chão e pisoteou-os esmagando-os completamente… e pensou: – Chega desta visão de mundo babaca, chega, chega de palhaçada!!! … então colocou os novos óculos e saiu assobiando…. a partir daí Osmar Mungano desapareceu completamente, como um cometa que aparece e some, ele deixou o ambiente artístico de repente… ninguém mais teve notícias dele… O nosso protagonista, por outro lado, voltou a antiga vida, se reconciliou com os amigos e hoje gargalha com esta estória, e toda vez que se encontra com algum de seus antigos amigos diz:

– Fique tranquilo: não vou convidar o Osmar Mungano…

Tagged

Saiu a mais nova TUDA, leiam… é bem melhor do que as ditas revistas culturais que são impressas em Pindorama,,, leiam !!!

Tagged

Citação do dia:

“Estamos cercados pelos mortos que ocupam posições de poder porque, de maneira a obter esse poder, é necessário que morram. Os mortos são fáceis de encontrar – estão por toda a parte à nossa volta; a dificuldade está em achar os que estão vivos. Repare na primeira pessoa com quem cruzar na calçada lá fora – os olhos já não guardam qualquer cor; o modo de caminhar é brutal, desajeitado, feio; mesmo os cabelos parecem brotar de maneira doentia. Há ainda outros tantos sinais de morte: um deles é uma sensação de radiação, os mortos emitem verdadeiros raios, o fedor de suas almas, que podem arruinar o nosso apetite para o almoço caso o contato dure muito tempo.”

( Charles Bukowski – tradução: Pedro Gonzaga )

Tagged