Skip to content

{ Monthly Archives } April 2018

SKETCHES OF SPAIN

Tagged

A DESESTRUTURILIZAÇÃO DE PINDORAMA PELA IMCOMPETÊNCIA EMBOABA

Tagged

EVOLUÇÕES TROPICANTES

Tagged

GRAPEFRUIT LANDSCAPES

Tagged

O DESTINO DO POETA E A TRAGºEDIA DE PINDORAMA

Tagged

POLLOCKONCRETO

Tagged

O TÚNEL DO TEMPO

Tagged

NAS MINAS GERAIS

Josias Germano e Marília Olávia resolveram enfim encarar a viagem às cidades históricas de Minas Gerais… viagem muitas vezes adiada em benefício de outros destinos sejam europeus, sejam latino-americanos, mas agora chega de Andaluzia, chega de Patagônia… eles iriam visitar as jóias do barroco mineiro… em vez do barroco de Bernini, o barroco de Aleijadinho, no lugar das ladeiras de Lisboa, as ladeiras de Ouro Preto…

Para tal, antes da tão adiada viagem, o nosso protagonista resolveu estudar sobre o assunto, então leu bastante: “Viagens aos Planaltos do Brasil” (Highlands of Brazil; with a full accout of the gold and diamond mines. Also canoeing down 1500 miles to the sea) de Richard F. Burton; “Barroco Mineiro”, Lourival Gomes Machado; “Aspectos das Artes Plásticas no Brasil” Mário de Andrade; “Passeio a Ouro Preto “ Lúcia Machado de Almeida, além do outros autores como Rodrigo Mello Franco Andrade, Augusto C. da Silva Telles, Lúcio Costa, Heliodoro Pires, Paulo Ferreira Santos, Carlos Del Negro, Roger Bastide, Germain Bazin , etc

A viagem foi maravilhosa, com vários atrativos: o concerto barroco com cravo na igreja Matriz de Tiradentes, as imagens de São José de Botas que viu em um museu de Ouro Preto, a culinária local com as mineirutudes tutuativas com destaque ao restaurante Tempero de Ângela em Bichinho (subúrbio de Tiradentes), a procissão da Semana Santa em Ouro Preto (onde os munícipes enfeitam as ruas), as diversas cachaças locais, as cervejas artesanais mineiras e por fim as igrejas: uma mais deslumbrante que a outra… diferente do barroco europeu, onde as igrejas são construídas no meio de cidades e seu exterior tem que se impor (ou se adaptar) ao meio circundante, as igrejas mineiras foram construídas literalmente no meio do mato, sem a necessidade de competir com o ambiente externo, possuindo na maioria das vezes, um exterior singelo (com exceções como o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas), mas internamente eram riquíssimas…. Na verdade duas igrejas impressionaram o casal protagonista: a igreja de São Francisco de Assis com sua volumetria original, seu teto de Manuel da Costa Ataíde e diversas obras (em diversos estilos) de Aleijadinho, e a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos com sua planta original (duas elipses interpenetrantes) e seus santos negros (São Eslebão, Santo Antônio de Nota, Santa Efigênia e São Benedito).

A viagem transcorria tranquilamente, porém quando foram visitar o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas, o nosso protagonista ao observar os diversos profetas de Aleijadinho, percebeu um erro fundamental: apesar de conhecer muitas partes da Bíblia, ele não lera nada sobre os profetas (mesmo a estória de Jonas ele só conhecia superficialmente)… quem eram aqueles profetas? o que significava o leão junto ao profeta Daniel? Josias Germano comprou uma Bíblia (mais outra para a sua coleção) e no restante da viagem se dedicou a ler sobre os profetas…

De todos os textos dos profetas, Josias Germano se impressionara com a passagem sobre o Banquete de Baltazar (Daniel 5:1-30): Baltazar, rei da Babilônia, estava celebrando um banquete enorme com cerca de mil pessoas, e tendo bebido um pouco a mais de vinho mandou trazer os cálices de ouro e prata que seu pai Nabucodonossor havia trazido do templo de Jerusalém, e neles começaram a beber mais e mais vinho. Naquele momento surgiu no ar, um dedo de mão humana riscando traços no reboco da parede, no palácio real… Assustado, Baltazar chamou os sábio de plantão, mas ninguém decifrou o significado daquela escrita… até que por sugestão da rainha-mãe, mandou chamar o profeta Daniel… este, ao observar aquela escrita disse: “Eis o que está escrito naqueles traços: MINA, SICLO e FERES. MINA vem de contar. Deus contou o tempo do seu reinado e já acabou. SICLO vem de pesar: Deus te pesou na balança e te faltava peso. FERES vem de dividir: o teu império será dividido e entregue aos medos e aos persas.”

Josias Germano lembrou-se do quadro de Rembrandt que ele havia apreciado na National Gallery em Londres… agora sim ele compreendera o significado daquela obra: o rei babilônico estarrecido, diante da mão vinda do além que escrevia palavras em uma linguagem desconhecida…

Após a Semana Santa em Outo Preto, rumaram para Mariana… estavam na praça entre as igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora do Carmo… Marília Olávia resolveu descansar, enquanto Josias Germano resolveu desenhar… porém após a conclusão do esboço, ele começou a pensar na tragédia de Mariana, do mar de lama que invadiu estado do Espírito Santo… ele pensou em outro mar de lama: a corrupção em todos os níveis e esferas do poder… pensou então na conivência oportunista de muitos com o estado das coisas, na febre amarela, na violência generalizada do crime organizado & da banda podre da polícia, na vulgaridade emboaba da música que toca nas rádios, nos péssimos resultados de seu querido tricolor paulista, na mania das pessoas de estarem conectadas em redes sociais sem olhar ao redor, na desigualdade social cada vez mais acentuada com globalização da economia…

Então naquele momento ele teve uma epifania: ele descobriu que a “Nova República” já acabou (MINA), nossa estrutura político-social não tem consistência (SICLO) e que o Brasil será dividido e entregue aos americanos ou chineses (FERES)…

Viu que estava tudo muito claro… que não precisava de uma mão surgir do além em meio a um banquete no Palácio da Alvorada para escrever signos obscuros…

Tagged