Skip to content

{ Tag Archives } literatura

VIVA A MÚSICA! – Andrés Caicedo – Tradução Luis Reyes Gil – Editora Rádio Londres

Este é o único romance deste escritor colombiano (ele se matou logo depois de receber a primeira cópia impressa de sua obra prima). É um relato da viagem iniciática de uma adolescente na loucura do início dos anos 70 na cidade de Cáli… no começo confesso que não gostei, parecia aqueles livros sobre juventude rebelde publicados na década de 80… no entanto a medida em que a estória se desrenrola o livro ganha densidade até o seu final contundente, como que a medida que a protagonista vai ganhando experiência sua linguagem vai se rebuscando (a estória é narrada em primeira pessoa)… Na verdade a personagem principal não é a adolescente María del Carmem… a personagem principal é a música. No final do livro há um apêndice que mostra as diversas citações musicais que o autor fez… consultando-o eu descobri um monte de pérolas da música latina: Richie Ray e Bobby Cruz, Johnny Pacheco, Arsenio Rodrigues, o grupo La Cospiración, Mon Rivera, Yaco Monti, José Alfredo Jiménez, Tite Curet Alonso, Willie Colón, etc
VIVA A MÚSICA! – Andrés Caicedo – Tradução Luis Reyes Gil – Editora Rádio LondresEste é o único romance deste escritor colombiano (ele se matou logo depois de receber a primeira cópia impressa de sua obra prima). É um relato da viagem iniciática de uma adolescente na loucura do início dos anos 70 na cidade de Cáli… no começo confesso que não gostei, parecia aqueles livros sobre juventude rebelde publicados na década de 80… no entanto a medida em que a estória se desrenrola o livro ganha densidade até o seu final contundente, como que a medida que a protagonista vai ganhando experiência sua linguagem vai se rebuscando )a estória é narrada em primeira pessoa)… Na verdade a personagem principal não é a adolescente María del Carmem… a personagem principal é a música. No final do livro há um apêndice que mostra as diversas citações musicais que o autor fez… consultando-o eu descobri um monte de pérolas da música latina: Richie Ray e Bobby Cruz, Johnny Pacheco, Arsenio Rodrigues, o grupo La Cospiración, Mon Rivera, Yaco Monti, José Alfredo Jiménez, Tite Curet Alonso, Willie Colón, etc

Also tagged

EL MATERIAL HUMANO – RODRIGO REY ROSA – Editora Alfaguara

Esta edição é espanhola, mas o livro foi publicado aqui em 2012 pela Editora Benvirá, com tradução de Josely Vianna Baptista… Neste livro, o escritor guatemalteco mistura ficção com um diário sobre suas visitas ao arquivo histórico da polícia nacional da Guatemala que ocorreram em 2005, salpicado com citações de alguns mestres da literatura (Borges, Bioy Casares, Voltaire, Zagajewski, Salvator Rosa, Stefan Zweig, etc.) … um daqueles livros que podem ser lidos em vários níveis com fios narrativos interpenetrantes (histórico, político, literário, autobiográfico, etc.)

Also tagged

A EDUCAÇÃO PELA PEDRA – João Cabral de Melo Neto – Editora Alfaguara.

Na verdade esta edição é uma reunião de quatro livros deste grande poeta: Quaderna, Dois Parlamentos, Serial e A Educação Pela Pedra. Para mim um dos melhores poemas feitos em Pindorama é “Rio Sem Discurso”, mas temos outras pérolas: “Mulher Vestida de Gaiola”, “ Imitação da Água”, “ O Sim Contra o Sim”, “Tecendo a Manhã”, etc… confiram !!!

Also tagged

Enfim acabei de reler À Sombra do Vulcão de Malcolm Lowry – Editora Siciliano – Tradução Leonardo Fróes. Demorou alguns anos, mas valeu a pena… para tal contei com o auxílio de um sitio da Universidade de Otago (Nova Zelândia): The Malcolm Lowry Project, que me forneceu várias explicações sobre o amontoado de citações… e para entender a relação com as obras citadas, tive que ler (ou reler) algumas delas: A Bíblia, Moby Dick (Herman Melville), Jaqueta Branca (Herman Melville), Benito Cereno (Herman Melville) Lord Jim (Joseph Conrad), O Coração das Trevas (Joseph Conrad), Fausto (Christopher Marlowe), Fausto (Goethe), Os Sofrimentos do Jovem Werther (Goethe), Alastor: Ou, O Espírito da Solidão (Percy Shelley), Kubla Khan (Samuel Coleridge), Retrato de uma Senhora (T.S. Eliot), Terra Devastada (T.S. Eliot), O Homem Oco (T.S. Eliot), A Divina Comédia (Dante Alighieri), William Shakespeare (Hamlet, Macbeth).

Li também frases ou trechos de Frei Luis Ponce de León, Calderón de La Barca, Virgílio, François Villon, Wordsworth, Jean Cocteau, W. B. Yeats, Rupert Brooke, Ralph Bates, Thomas Browne, William Shakespeare (Ricardo II, Titus Andronicus e O Mercador de Veneza) … uma das coisas que mais me marcou foi um poema de Goethe ainda não traduzido para o português: Die Wandelnde Glocke (O Sino Caminhante)… e por falar em sino, em “À Sombra do Vulcão” até o badalar de um sino é uma citação:

“De repente, um sino clamou de fora, para se calar bruscamente: dolente… dolore!”(*) (Malcolm Lowry – Tradução Leonardo Fróes)

(*) As palavras dolente e dolore estão na inscrição acima da porta do inferno no canto III da Divina Comédia de Dante Alighieri.

Per me si va ne la città dolente / per me si va ne l’etterno dolore (através de mim você entra na cidade lamentável / através de mim você entra no sofrimento eterno)

Agora me resta copilar tudo o que li e escrever um prefácio explicativo

Also tagged

HOMENAGEM A JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Also tagged

ARQUIVO DAS CRIANÇAS PERDIDAS – Valeria Luiselli – Editora Alfaguara

Uma mulher lê para seu enteado de dez anos um livro curto sobre crianças que atravessam desertos e selvas em um trem para fugir para outro país… é um livro dentro da estória de Valeria Luiselli, escrito pela italiana Ella Camposanto chamado “Elegias para Crianças Perdidas”… quando os personagens de um livro e o leitor compartilham um outro texto, eles estabelecem um elo… porém do mesmo jeito que os personagens são uma ficção para o leitor, o leitor também pode ser uma ficção para os personagens…

Estes jogos intertextuais não são novos… Cervantes já utilizava algo semelhante na segunda parte de Dom Quixote… mas mesmo assim, eu tenho imenso prazer quando me deparo com este tipo de texto… Porém mesmo quem não é afeito a este nível de leitura, vai adorar “Arquivo das Crianças Perdidas”: é um romance social (aborda o problema das crianças refugiadas que cruzam a fronteira americana), histórico (aborda o período final dos Apaches), geográfico (a família protagonista se desloca de Nova Iorque até o Arizona parando em diversos lugares), psicológico (há uma mudança do foco narrativo e a estória passa a ser narrada pelo menino de dez anos, esta parte é quase um tratado de psicologia infantil), e muito mais…

Para mim entretanto, ler é que nem entrar em um oceano….você pode nadar na superfície, mas pode também mergulhar até as profundezas (e muitas vezes encontrar tesouros)… Este livro é uma fonte riquíssima para os que gostam de se aprofundar nos abismos da linguagem… por exemplo: Ella Camposanto é uma invenção da Valeria Luiselli e seu “livro dentro do livro” possui um monte de citações, em especial do primeiro dos Cantos de Erza Pound, que por sua vez é um eco do canto XI da Odisséia de Homero… ou seja a literatura ecoando desde a antiguidade… não por acaso um dos locais chave no livro se chama o cânion do Eco (que pelo que eu pesquisei pela internet, também não existe)… Divirtam-se.

Also tagged

O DUELO – Joseph Conrad – Tradução: Eduardo Marks de Marques – Editora Grua Livros

Acabei de ler “O Duelo” de Joseph Conrad… uma novela sobre uma série de duelos entre dois oficiais franceses durante as guerras napoleônicas e o periodo da restauração… vale a pena ler… é uma metáfora sobre nossa manias de eleger inimigos em nossos meios profissionais por meras picuinhas…

Also tagged

O LEOPARDO – Lampedusa – Tradução­: Leonardo Codignoto – Editora Nova Cultural.

Giuseppe Tomasi di Lampedusa é um daqueles escritores de uma única obra… pertencente a uma família nobre (tornou-se o príncipe de Lampedusa) sua vida não foi só de conforto… combatente do exército italiano na primeira guerra mundial, foi preso e levado para o campo de prisioneiros de Szombathely, na Hungria, de onde escapou atravessando a Europa de volta à Itália…
“O Leopardo” é um romance histórico ambientado na Sicília na época da
unificação da Itália, na passagem da dinastia dos Bourbons para a dinastia dos Savóia.

Aqui vai uma passagem do livro:

“O príncipe havia tido muitos aborrecimentos naqueles últimos meses: tinham vindo de toda parte, como formigas ao assalto de uma lagartixa morta. Alguns haviam nascido nas fendas da situação política; outros haviam-lhe sido atirados para cima pelas paixões alheias, outros ainda (e eram os mais pungentes) haviam brotado de si mesmos, das suas reações irracionais perante a política e os caprichos do próximo (…) ; e todos os dias passava em revista estas preocupações, fazia-as manobrar, juntar-se em coluna ou dispor-se em fila na praça de armas de sua consciência, esperando vislumbrar nestas evoluções qualquer finalidade que pudesse tranquilizá-lo, mas não o conseguia. Nos anos anteriores, os aborrecimentos eram em número menor e, de certo modo, a estada em Donnafugata constituía um periodo de repouso; os desgostos baixavam o fuzil, dispersavam-se pelas anfractuosidades dos vales e aí ficavam tranquilamente entretidos a comer pão e queijo; de tal forma que era esquecida abelicosidade de seu uniforme e podiam ser tomados por pastores ofensivos. Pelo contrário, este ano, haviam ficados juntos e eram como tropas revoltadas que vociferassem, brandindo as armas: sentia o temor de um coronel que houvesse gritado “dispersar” e que visse depois o regimento mais cerrado e ameaçador do que nunca.”

Also tagged

PERAMBULE – Fabrício Corsaletti – Editora 34.

Mantendo a tradição dos bons cronistas brasileiros como Antônio Maria, Rubem Braga, etc… a maioria das crônicas eu já havia lido na extinta revista dominical da Folha de São Paulo… A imprensa escrita deveria voltar a publicá-lo, pois seus escritos fazem falta..

Also tagged

RUMBO AL MAR BLANCO (In Ballast to the White Sea) – Malcolm Lowry – Tradução para o espanhol: Ignacio Villaro – editora Malpaso

Em junho de 1944 a cabana que Malcolm Lowry vivia com sua segunda esposa Margerie Bonner, na Colúmbia Britânica (Canadá) pegou fogo… sua esposa conseguiu salvar os manuscritos de sua mais famosa obra, “A Sombra do Vulcão” (Under the Volcano), mas não deu para salvar o manuscrito com cerca de mil folhas de “In Ballast to the White Sea” que ele estava escrevendo desde 1931. Porém foi descoberta em 1988, a existência de uma versão incompleta desta obra, que Lowry deixara com sua primeira esposa Jan Gabrial em 1936…
Nesta versão com 383 páginas, embora apresente um desfecho, a parte final é tratada de um forma esquemática… mas podemos observar o estilo de Lowry em um romance marinho (embora as citações a Melville sejam frequentes, os personagens parecem ter as inquietações dos personagens de Conrad)… para quem nunca leu nada dele eu recomendo ler antes “A Sombra do Vulcão”, mas quem já tiver lido e apreciado o romance ambientado no México, “In Ballast to the White Sea” é uma boa pedida… (existe uma edição portuguesa “Rumo ao Mar Branco” que pode ser encomendada nas melhores livrarias).

Also tagged