Skip to content

{ Tag Archives } pinturas

curvasesan

AS CURVAS DA ESTRADA DE SANTOS (acrílica, spray e latex sobre compensado de madeira – 1987 )

Foto enviada pelo amigo Jonathas Magalhães.

Also tagged

Continuo a ler as críticas de arte de Baudelaire, e me deparo com um ensaio em que ele compara um salão de arte (exposição coletiva) moderno com um museu antigo, e o resultado é que o museu antigo possui mais unidade… o escritor francês profetiza a mistureba que se tornaria a arte atual, segundo ele fruto da glorificação do indivíduo, onde sem escolas ou grupos artísticos dominantes, cada um faz o que quer… não temos mais os coloristas brigando com os desenhistas, os cubistas enfrentando os expressionistas, a turma da bossa nova contra a turma da tropicália, o pessoal do cinema novo contra o pessoal do cinema marginal, poesia concreta versus a poesia práxis… hoje pode tudo e ninguém liga mais para estas coisas… em compensação a arte (pintura, música, cinema, literatura, etc) está cada vez pior, uma “desordem fervilhante de mediocridades” como bem expressou este sábio escritor: fiquem com um pedaço do texto:

“Comparai o momento presente com o tempo passado; ao sairdes do salão ou de uma igreja decorada recentemente, ide repousar vossos olhos num museu antigo, e analisai as diferenças.
Num, turbulência, confusão de estilos e cores, cacofonia de tons, trivialidades enormes, prosaísmo de gestos e atitudes, nobreza de convenção, clichês de toda sorte, e tudo isto visível e claro, não apenas nos quadros justapostos, mas também no mesmo quadro: em suma – ausência completa de unidade, cujo resultado é um cansaço horrível para o espírito e para os olhos.
No outro, este respeito que leva as crianças a tirarem o chapéu, e se apodera da vossa alma, como a poeira dos túmulos e das covas se apodera da vossa garganta: é o efeito, não do verniz amarelo e da sujeira do tempo, e sim da unidade, da unidade profunda.
(…) Esta glorificação do individuo exigiu a divisão infinita do território da arte. A liberdade absoluta e divergente de cada um, a divisão dos esforços e o fracionamento da vontade humana ocasionaram esta fraqueza, esta dúvida e esta pobreza de invenção.; alguns excêntricos, sublimes e sofredores, compensam mal esta desordem fervilhante de mediocridades. A individualidade – esta pequena propriedade – comeu a originalidade coletiva; (…)”

( Charles Baudelaire )

Also tagged


EU E A BRISA
(1989 – tinta acrílica sobre tela – 60 x 48cm – foto: Fabiana Marchezi)

Ao ser indagado sobre que música gostaria de ter composto, Tim Maia não titubeou: – “Eu e a Brisa” , respondeu…
Eu também adoro esta música, tanto que fiz este quadro em homenagem…
Valeu Johnny Alf…

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged

WORK IN PROGRESS

Also tagged